Viktor Schauberger

Schauberger ( 1885-1958) nasceu na Áustria e era descendente de uma linhagem de guardas florestais. Em sua juventude ele ficou muito tempo em florestas que ainda não haviam sido tocadas pelas mãos do homem, e fez observações intuitivas e acuradas. Foi um estudioso da natureza e tinha um dom de perceber as energias sutis que ocorriam na natureza e que ainda hoje não são consideradas pela ciência ortodoxa. Durante este período ele desenvolveu teorias profundas e radicalmente contrarias as da ciência ortodoxa, a respeito da água, as energias inerentes  a ela e sua forma natural, e desejada, de movimento. Suas demonstrações praticas sempre funcionaram como ele teorizava, pois ele havia entendido como a natureza trabalhava e era capaz de reproduzi-la.

 

Como um organismo natural, a água é formada e funciona de acordo com as leis e a geometria da Natureza, não exibindo nenhum dos elementos da linha reta, do círculo e do ponto, as bases da mecânica moderna e da tecnologia atual. Refletindo a principal constante da Natureza, a da continua mudança e transformação, o vórtice resume esta forma aberta, fluida e flexível de movimento.

 

Ele observou que muitos rios e córregos eram praticamente livres de erosão enquanto canais feitos pelo homem precisavam de contínuos reparos devido a severos efeitos de erosão. Ele deduziu que os meandros dos caminhos naturais da água tinham de alguma forma alcançado um estado de equilíbrio tal que as forças da água causavam um mínimo de dano a terra por onde ela fluía. Desta simples observação e o interessante fato de que a truta permanecia sem movimento em uma corrente em rápido movimento, Schauberger concluiu que havia uma força natural na natureza que seguia caminhos naturais. Ele despendeu a maior parte da sua vida descobrindo as leis que governam esta energia natural.

 

Através de seu estudo dos vórtices ocorrendo naturalmente nas correntes de água e do ar na forma de ciclones e tornados, Viktor Scahuberger desenvolveu suas teorias de implosão (utilizando a força de sucção do vortice; nada a ver com uma explosão para dentro como é senso comum).

 

A água e sua vital interação com a floresta era a principal preocupação de Schauberger. Ele via a água como uma entidade viva, o “ Sangue da Mãe-Terra”, que nascia no útero da floresta. Nosso modo mecanicista, materialista e extremamente superficial de ver as coisas, nos impedia de considerar a água como nada menos que inorgânica, supondo-a sem vida, embora aparentemente não tenha vida por si mesma, mas podendo sem duvida criar milagrosamente a vida em todas as suas formas. Vida é movimento e é resumido pela água, que está em um constante estado de movimento e transformação, tanto externa como internamente. A água é capaz de combinar com mais substancias que qualquer outra molécula e fluindo como água, seiva ou sangue, é a criadora de uma miríade de formas de vida no planeta.

 

Viktor Schauberger descobriu capacidades na água nunca antes suspeitadas! Inventou sistemas de transporte de troncos do cimo das montanhas para as serrarias, que encurtaram a despesa e a perda da matéria-prima em 90%. Troncos que há milênios eram puxados por cavalos e trenós, passaram a ser colocados em calhas com água corrente, que em poucos minutos os levavam a quilômetros de distância!

 

Schauberger registrou dezenas de patentes austríacas entre 1929 e 1958. Muitos dos seus estudos baseavam-se na sua ligação especial com a água. Conseguia extrair desta, forças elétricas e magnéticas. Em 1930 inventou uma turbina a jato. Em 1936 uma turbina de ar. Parte do mundo científico rejeitou-o por não ter formação academica e também por não terem capacidade para compreender o que ele dizia. Os resultados dos seus estudos, porém, eram indiscutivelmente impressionantes.

 

Em 1934 foi apresentado a Adolf Hitler (que tinha chegado ao poder, no Reich Alemão, um ano antes). Schauberger concordou na realização do encontro, mas não escondeu a sua aversão ao novo governante. Quando o Reich anexou a Áustria (1938), o Exército Alemão confiscou os protótipos das suas invenções (para não caírem em mãos inimigas), e Schauberger foi obrigado a integrar uma equipe de estudos energéticos avançados da SS. Como se recusou a tal prepotência foi feito prisioneiro e enviado para o Campo de Concentração de Mauthausen. Perante o perigo de fuzilamento, reconsiderou a sua colaboração, acabando por ser admitido, em 1941, como técnico, na fábrica de Messerschmidt, a primeira a produzir aviões a turbinas, que ainda chegaram a ser utilizados em combate em número significativo.

 

Schauberger construiu um disco voador, em 1940, em Viena, nas instalações fabris da Companhia Kertl. Schauberger patenteou este seu invento, em Viena, a 4 de Março de 1940, sob o número de registo 146.141. No teste esperava-se que o protótipo apenas se elevasse um pouco acima do chão. Assim, efetuou-se o teste dentro de um hangar e não ao ar livre. O resultado foi assustador: o protótipo levantou-se com tal força e rapidez que se desfez imediatamente contra o teto do hangar! Entretanto um novo disco levantou vôo a 19 de Fevereiro de 1945, perto de Praga (Boemia alemã, hoje República Checa), atingindo uma altura de 15.000 metros em apenas 3 minutos e uma velocidade horizontal de 2.200 km/h e  foi construído com base nos seus estudos.

 

Ao final da Segunda Guerra Mundial, russos e americanos se apoderaram dos conhecimentos de Schauberger, mantendo este tipo de energia sob segredo. Este tipo de  energia que pode ser utilizada para atender as demandas da nossa sociedade, sem os efeitos nefastos de queima de combustíveis, depredação do meio ambiente, guerras por domínio de recursos minerais, etc.

 

Em 1950 Richard St Barbe Baker eminente ecologista convidou Walter Schauberger, filho de Viktor e que trabalhou com ele em alguns de seus projetos,  a fazer uma apresentação na Inglaterra em Oxford e Birmingham. James Chadwick ,que juntamente com Rutherford fez a primeira fissão do átomo,  estava presente e ficou muito impressionado com a apresentação de Walter. Algumas semanas depois destas apresentações lhe foi dito que as apresentações tinham sido excelentes, mas que para que lhe fosse dado credito todos os manuais de física do mundo teriam que ser reescritos, e nada aconteceu.

 

Em 1958, um consórcio americano convidou Viktor Schauberger para ir ao Texas, onde se propunham facultar-lhe tudo o que necessitasse para criar energia por implosão. Fizeram questão de que levasse consigo todos os seus planos (já se tinham apercebido que em relação ao que ele sabia só pouco tinha caído em mãos dos aliados).

 

Quando se deslocou com o seu filho Walter ao Texas, levando uma boa parte dos seus planos com ele, apercebeu-se de que lhe tinham preparado uma cilada. Os americanos confiscaram-lhe todos os seus documentos e apontamentos e obrigaram-no a assinar um documento em que se comprometesse a nunca mais fazer pesquisas sobre a implosão. Não assinar significaria a sua prisão e a do seu filho. Nunca mais poderiam voltar a Áustria. Schauberger teve de deixar tudo nos Estados Unidos e voltou à Europa a 20 de Setembro de 1958. Cinco dias depois da sua chegada, morreu.

 

Seu filho Walter Schauberger, fundou em 1962, a Pythagoras Kepler Schule (PKS) em Engleithen, na Áustria. Ele não publica seus trabalhos; mas Callum Coats, que estuda com ele redige artigos e livros sobre os trabalhos de Walter, cujo filho Dr. Tilman Schauberger, físico, deve sucede-lo.

 

Os principais assuntos tratados na PKS são sobre a água e o vortex.As descobertas de Schauberger nos trazem uma nova percepção sobre a Física e muda completamente o paradigma da tecnologia atual onde devemos obter energia a partir da fissão do átomo, gerando calor e daí através das teorias da Termodinâmica Clássica, obter trabalho , para um novo paradigma onde podemos obter trabalho diretamente da energia gravitacional, usando a água e o ar como meios de transmissão, base da tecnologia da Implosão.

 

http://discaircraft.greyfalcon.us/Viktor%20Schauberger.htm

http://www.vortex-world.org/repulsin.htm


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

vinte + dezoito =

Próximo Capítulo:
Na cultura indiana o corpo humano é uma matriz energetica…