Rife / Clark

Royal Raymond Rife foi um brilhante cientista que nasceu em 1888 e morreu em 1971. Após estudar no Johns Hopkins, Rife desenvolveu uma tecnologia que é ainda comumente usada hoje nos campos da ótica, eletrônica, radio-química, bioquímica, balística e aviação..

Ele recebeu 14 maiores prêmios e honras e recebeu um doutorado honorário pela Universidade de Heidelberg por seu trabalho. Durante os 66 anos que Rife levou desenhando e construindo instrumentos médicos, ele trabalhou para Zeiss Optics, o governo americano e vários benfeitores. O mais notável foi o milionário Henry Timkin, da Timkin Rolamentos. Porque Rife foi autodidata em tantos campos diferentes, ele intuitivamente procurou por suas respostas em áreas além da rígida estrutura científica de seu tempo. Ele se tornou proficiente em tantas disciplinas diferentes que, literalmente, teve à sua disposição intelectual, as habilidades e conhecimentos de uma equipe inteira de cientistas e técnicos de muitos campos científicos diferentes. Assim, sempre que uma nova tecnologia era necessária para desempenhar uma tarefa, Rife simplesmente inventava e então a construía sozinho.

As invenções de Rife incluem um microscópio heteródino ultravioleta, um micro dissecador e um micro manipulador.

Heterodino Diz-se do sistema de duas frequências diferentes para a produção de pulsações, uma das quais é comumente a da corrente recebida do sinal e a outra, a de uma corrente ininterrupta introduzida no aparelho.

Em 1920, Rife tinha terminado de construir o primeiro microscópio de vírus do mundo. Em 1933, ele aperfeiçou aquela tecnologia e construiu o incrivelmente complexo Microscópio Universal, que tinha perto de 6.000 partes diferentes e era capaz de ampliar objetos 60.000 vezes o seu tamanho normal. Com este incrível microscópio, Rife se tornou o primeiro ser humano a ver de fato um vírus vivo e até bem recentemente, o Microscópio Universal era o único capaz disto.

Os modernos microscópios eletrônicos matam instantaneamente tudo o que estiver sob ele, vendo apenas os restos mumificados e os detritos. O quê o microscópio de Rife pode ver é a atividade de viroses viventes enquanto eles mudam de forma para se acomodar as mudanças no ambiente, duplicam rapidamente em resposta aos carcinógenos e transformam células normais em células tumorosas.

Mas como Rife foi capaz de conseguir isto em uma época em que a eletrônica e a medicina estavam apenas ainda se desenvolvendo?

Rife identificou meticulosamente a assinatura espectroscópica individual de cada micróbio usando um espectroscópio com uma fenda estreita anexado. Ele então girou lentamente prismas de blocos de quartzo para focar a luz de comprimento de onda único sobre os microorganismos que estava examinando. Este comprimento de onda foi selecionado porque ressonava com a freqüência da assinatura do espectroscópio do micróbio baseado  no fato agora estabelecido de que cada molécula oscila em sua distinta freqüência.

Os átomos que se juntam para formar uma molécula são mantidos juntos nessa configuração molecular com uma cadeia de energias covalentes que emite e absorve sua própria freqüência eletromagnética específica. Nenhuma entre duas espécies de moléculas têm as mesmas oscilações eletromagnéticas ou assinatura energética. A ressonância amplifica a luz da mesma maneira que duas ondas do oceano intensificam uma a outra quando se juntam. O resultado de usar um comprimento de onda ressonante é que os microorganismos que são invisíveis na luz branca repentinamente se tornam visíveis em um brilhante flash de luz quando são expostas à freqüência de cor que ressona com a sua própria e distinta assinatura espectroscópia. Rife então pode ver estes organismos, invisíveis de outra forma e assisti-los invadindo ativamente culturas de tecidos. A descoberta de Rife possibilitou-lhe ver organismos que ninguém mais poderia ver com microscópios comuns.

Mais de 75% dos organismos que Rife podia ver com seu Microscópio Universal são visíveis somente com a luz ultravioleta. Mas a luz ultravioleta está fora do âmbito da visão humana, é invisível para nós. O gênio de Rife permitiu a ele superar esta limitação pelo heteródino, que basicamente, é uma técnica de combinar dois sinais para obter um terceiro sinal. Ele iluminou o microscópio com dois comprimentos de ondas da mesma freqüência da luz ultravioleta que ressonava com a assinatura do espectro do micróbio. Estes dois comprimentos de ondas produziram interferência onde eles se juntaram. Esta interferência era, em efeito, uma terceira onda, mais longa que adentrou a porção visível do espectro eletromagnético. Foi assim que Rife tornou visíveis os micróbios invisíveis sem matá-los, um feito notável que os microscópios eletrônicos atuais não podemrepetir.

Neste tempo, Rife estava tão à frente dos seus colegas dos anos 1930 que eles não poderiam compreender o quê ele estava fazendo, sem ir ao laboratório de Rife em San Diego para ver através do seu microscópio de vírus, eles mesmos. E muitos fizeram exatamente isso.

Então, Rife fez mais de 20.000 tentativas sem sucesso para transformar células normais em células tumorais. Ele finalmente conseguiu quando irradiou o vírus do câncer, o passou pelo filtro ultrafino de porcelana que retinha células e injetou em animais de laboratório. Não satisfeito em provar que este vírus causaria um tumor, Rife então criou 400 tumores em sucessão a partir da mesma cultura. Ele documentou tudo com filmes, fotografias e registros meticulosos. Ele deu ao vírus do câncer o nome “Cryptocides Primordiales”.

A discussão inflamou entre aqueles que tinham visto as viroses se modificando em diferentes formas sob o microscópio de Rife e aqueles que não tinham visto. Muitos cientistas e doutores têm confirmado a descoberta de Rife do vírus e sua natureza polimórfica, usando as técnicas do campo-escuro com o microscópio de Naessens e experimentos de laboratório. Rife também trabalhou com cientistas e doutores renomados do seu tempo, que também confirmaram ou endossaram várias áreas do seu trabalho.

Rife ignorou o debate preferindo se concentrar no refinamento do seu método de destruição destas viroses matadoras. Ele usou o mesmo princípio para matá-las, e que as tornou visíveis: a ressonância.

Aumentando a intensidade de uma freqüência que ressonava naturalmente com estes micróbios, Rife aumentou suas oscilações naturais até que eles distorcessem e desintegrassem no seu estresse natural. Rife chamou esta freqüência de “taxa oscilatória mortal (TOM), e não causou dano nenhum aos tecidos vizinhos. Os instrumentos de Rife atuais usam certas freqüências selecionadas e seus harmônicos para executar o trabalho.

 

Estes princípios podem ser ilustrados pelo uso de uma intensa nota musical para quebrar uma taça de vidro: as moléculas do vidro já estão oscilando em algum harmônico (múltiplos) dessa nota musical; elas estão em ressonância com elas. Porque todas as outras têm freqüências de ressonância diferentes, nada além do vidro é destruído. Há literalmente centenas de trilhões de freqüências de ressonância diferentes e cada espécie e molécula tem a sua própria, bem peculiar.

Rife levou muitos anos até descobrir as freqüências que destruíam especificamente herpes, pólio, meningite espinhal, tétano, influenza e um número imenso de outros organismos causadores de doenças perigosas.

 

Em 1934, a Universidade da Califórnia do Sul formou um comitê especial de pesquisa médica para trazer pacientes de câncer terminal do Hospital de Pasadena County para o laboratório e clínica de Rife em San Diego para tratamento. A equipe incluía doutores e patologistas reconhecidos para examinar os pacientes – se ainda vivos – em 90 dias.

Após os 90 dias de tratamento, o comitê concluiu que 86,5% dos pacientes tinham sido completamente curados. O tratamento foi então ajustado e os restantes 13,5% dos pacientes também reagiram nas 4 semanas seguintes. O índice de recuperação total usando a tecnologia de Rife foi de 100%.

Em 20 de novembro de 1934, 44 das mais respeitadas autoridades médicas do país honraram Rife com um banquete anunciando “o fim de todas as doenças” sob os cuidados do Dr. Milbank Johnson em Pasadena.

Infelizmente a historia nos mostrou que esta importante descoberta não foi devidamente aplicada nas ciências relacionadas a saúde.

A Conspiração do Cancer

Hulda Clark

Anos mais tarde Hulda Clark seguindo a mesma orientação de Rife criou o Zapper que também atua por ressonancia, fazendo com que os microbios sejam destruidos, através do rompimento das estruturas de seus exoesqueletos. Ela escreveu o livro The Cure of all diseases onde atribui a geração de diversas doenças a mudança de frequencia dos orgãos tornando-os compativeis com as frequencias dos microbios que aí se instalam. Ao final de seu livro ela apresenta uma tabela com as frequencias de diversos microbios.

Free Download “The Cure For All Diseases” PDF Here!

Almanaque de Bichos que dão em gente – Sonia Hisch

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

catorze − dez =

Próximo Capítulo:
http://www.emfresearch.com/the-body-electric/   Robert O. Beck (1925 - 2002) foi um…