Meditação

Consiste em diminuir a emissão de impulsos (ondas eletromagnéticas) no cérebro de forma a que o mesmo trabalhe numa freqüência da ordem de 3 a 4 Hz.

É interessante colocar que ondas eletromagnéticas induzidas ao cérebro, provocam alterações comportamentais, como no exemplo citado quando  tratamos das influencias de energias telúricas no corpo humano.

Cientistas da Universidade Européia de Pesquisas Maharishi demonstraram que meditadores experientes apresentam maior coerência na atividade ondulatória cerebral entre os hemisférios direito e esquerdo quando estão praticando meditação transcendental.

As ondas cerebrais refletem de forma indireta a atividade do sistema nervoso central. O significado de uma maior coerência na atividade ondulatória cerebral poderá ser compreendida examinando-se a diferença entre a luz coerente dos lasers e a luz incoerente de uma vela. Quando as ondas luminosas são induzidas a se deslocarem lado a lado, como num feixe de laser, a amplificação de energia é enorme. Uma maior coerência na atividade elétrica cerebral pode refletir alterações semelhantes na aplicação da energia mental.

Itzak Bentov utilizando um aparelho chamado balistocardiografo constatou a ocorrência de notáveis alterações na atividade do coração e do cérebro durante os estados de  meditação profunda. Ele descobriu um sistema especial de osciladores rítmicos no mecanismo do corpo físico que, na meditação, eram acionados pelos batimentos cardíacos.

Durante a meditação, a lenta e ritmada microoscilação de todo o corpo torna-se nítida e regular. À medida que o ciclo respiratório vai se alterando, durante a meditação, o mesmo acontece com o ritmo da atividade cardíaca.

Sabe-se que, ao se contrair, o coração envia uma onda de pressão de sangue através da aorta ( a maior artéria do corpo, que conduz o sangue que sai do coração). Quando a porção frontal da onda de pressão atinge a bifurcação aórtica(o local onde a grande artéria se divide em duas artérias menores que se dirigem para as pernas), produz-se uma onda reflexa que sobe pela aorta, deslocando-se na direção oposta. Bentov descobriu a existência de um notável laço interno de realimentação entre a bifurcação aórtica e o coração. Verificou-se que durante a meditação profunda esse laço interno de realimentação regula os ciclos de bombeamento e também o ritmo da respiração. Quando a onda de pressão cardíaca alcança a bifurcação aórtica, é enviado um sinal ao coração determinando que o próximo batimento se inicie no exato momento em que a porção frontal da onda refletida alcança a válvula aórtica. Isto significa que haveria uma frente de ondas simultaneamente indo e voltando ao mesmo ponto. Quando o timing dos batimentos que descem pela aorta coincidem com a chegada das pulsações reflexas, produz-se uma onda estacionaria. Essa atividade ondulatória tem uma freqüência de aproximadamente sete Hz. Este sistema oscilatório especial das ondas circulatórias causou os movimentos rítmicos detectados por Bentov em praticantes avançados de meditação com a ajuda do balistocardiógrafo.

Este micromovimento corporal causado pelas ondas estacionarias que se formam no sistema oscilatório coração-aorta é o primeiro de uma serie de osciladores que são ativados sincronicamente no corpo físico durante o processo de meditação.

Como os osciladores estão dispostos em serie, quando o primeiro é ativado os outros osciladores também são acionados. Ao mover-se para cima e para baixo, o corpo faz com  que o cérebro oscile para cima e para baixo no interior da caixa craniana.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

17 − um =

Próximo Capítulo:
No livro Autobiografia de um Yogue de Paramahansa Yogananda ele…