Valerie Hunt & Emilie Conrad

No livro Energy Medicine in Therapeutics and Human Performance de James Oschman encontramos a seguinte passagem:

 

A dra Valerie Hunt no seu livro Infinite Mind. The Science of Human Vibrations [Mente Infinita. A Ciencia das Vibrações Humanas] de 1989, descreve fascinantes descobertas sobre seus estudos dos padrões eletromiograficos produzidos por vários dançarinos incluindo Emilie  Conrad.

Os mecanismos pelos quais os organismos sentem e se adaptam aos seus ambientes em permanente mudança são centrais para a sobrevivência e portanto são de suma importância em biologia. Estes mecanismos tem que ser vistos como milagres da natureza. As explicações de livros texto fazem acreditar que estes são problemas resolvidos. Mapas de caminhos neurais no corpo tem sido conhecidos por um longo tempo e tem sido verificados por neuroanatomistas e neurofisiologistas. Mas as observações de Albert Szent Györgyi (premio nobel pela descoberta da vitamina C)  indicam que há mais coisas nesta historia.

Um erro de concepção sério é que aquilo que nós chamamos como sensação e cognição, aprendizado e memória, e consciência e mente são atividades que residem primariamente no cérebro. Quando um cientista de computador é perguntado se computadores serão capazes de imitar a consciência humana, a resposta geralmente é “Sim, obvio, porque o cérebro é apenas um sofisticado computador”. Este tipo de colocação se baseia em uma ultrapassada “doutrina de neurônios” que estabelece que “cérebro=mente = computador”. É um modelo que perpetua a noção incorreta de que consciência surge de um conjunto de padrões de interconectividade entre disparo de neurônios no cérebro. Esta idéia que persiste em relatórios recentes de neurocientistas muito embora a maior parte dos neurocientistas reconheça que a interconectividade maciça exista, definitivamente existe mais coisas nesta historia.

No livro da Dra Hunt ela cita Emilie Conrad que é capaz de sob certas circunstancias mover-se vigorosamente sem esforço visível. As observações de Hunt foram feitas usando eletromiografia, um método que registra a atividade elétrica na junção mioneural, o lugar onde o nervo motor se conecta com o músculo. De acordo com a teoria neuromuscular clássica, quando um nervo motor dispara há uma despolarização em suas terminações no músculo que ativam o processo de contração. É bem sabido desde 1867 que um campo elétrico aplicado a estes “pontos musculares” irão fazer a contração, e, viceversa, campos elétricos são estabelecidos quando a músculo é estimulado pelo nervo.

Aqui estão as passagens relevantes do livro da Dra Hunt Infinite Mind. The Science of Human Vibrations [Mente Infinita. A Ciência das Vibrações Humanas]. A primeira passagem descreve os registros eletromiográficos de uma dançarina que queria saber o que acontecia quando ela dançava em um “estado alterado”.

Quando os eletrodos foram colocados, ela começou sua rotina de dança. No inicio nada fora do comum aconteceu.. Mas em cinco minutos os registros mudaram notavelmente. O sinal muscular da parte de baixo de seu braço parou. As características de atividade básica de todos os tecidos vivos estavam fora dos padrões. A seguir,o registro da parte de cima do braço desceu direto. O engenheiro acreditava que não havia falha de equipamento, embora não houvesse nenhuma energia nos braços.  Logo ela se colocou em uma “Posição de Taylor” que requer atividade dos músculos das costas para equilibrar o corpo. Novamente os músculos espinais não mostraram nenhum registro, nenhuma energia dispendida.

Nós sabemos que enquanto existe vida, os músculos do esqueleto enviam sinais. A seguir, energia eletromagnética fluiu do topo de sua cabeça com intensidade acima do que o equipamento podia suportar. Este estado durou sete minutos, seguido por uma seqüência reversa de reativação muscular da espinha, parte superior e inferior  dos braços.Em meus anos de pesquisa neuromuscular eu nunca havia testemunhado nenhuma situação similar, nem tinha  nada descrito na literatura. Era uma coisa sem explicação, mas eu nunca pude esquecer estes acontecimentos.

Mais tarde em seu livro, descrevendo os movimentos de  Emilie Conrad, ela escreveu:

Espontaneamente, eu verifiquei a taxa de seu coração(batimento) e a pressão sanguínea antes dela começar. Ela então dançou com muita energia, quase acrobaticamente, por 30 minutos com uma perfeição e repertorio superior a qualquer uma que eu tenha visto em dança solo. Seus movimentos tomavam todas as  direções, amplos e curtos, rápidos e lentos, com ritmos neuromusculares complexos fluindo através de varias partes do seu corpo. Ela demonstrava flexibilidade e força  impressionantes como se deslizasse sem esforço. Além de sua elegância técnica, eu senti que ela comunicava sentimentos e idéias poderosos.

Eu não estava preparada, entretanto, para o choque que veio quando eu percebi que meu longo estudo de atletas de alto nível, deficientes, e movimentos ritualísticos nativos de todas as partes do mundo não me ajudaram a entender o que eu observava com Emilie. Além disto, meu treinamento como observadora de movimentos e fisiologista neuromuscular não me ajudaram. Eu verifiquei novamente o batimento de seu coração e pressão sanguínea, esperando que suas mudanças fisiológicas pudessem esclarecer o assunto. Mas para minha surpresa, nem o batimento nem a pressão sanguínea tinham se elevado; na verdade ambos haviam caído ligeiramente. Para tornar as coisas piores, ela não estava suando nem respirando fortemente. Com total descrença, eu perguntei a ela por uma explicação, não antecipando nenhuma resposta.

Ela disse: “ Eu criei um campo de energia e montei nele” Agora é fácil de entender montar na força externa  de uma onda ou vento, ou esquiar montanha abaixo pela gravidade, mas o que era esta energia que criava movimento sem uma força física ou acontecimentos fisiológicos? Ela parecia estar tentando me dizer que haviam outras forma de se mover que estavam além da clássica contração neuromuscular que nós fisiologistas aceitamos.

Neurofisiologistas tem descrito um atalho, chamado de arco reflexo monosináptico ou reflexo espinhal [ monosynaptic reflex arc or spinal reflex]. Quando você toca alguma coisa quente, sua mão é rapidamente e involuntariamente removida, antes mesmo que você esteja consciente da dor. Um caminho muito mais rápido de resposta ao estimulo que opera sob certas circunstancias, tais como reações de sobrevivência que acontecem em uma emergência, em desempenhos de pico de atletas ou artistas, e nas artes marciais. Chamamos isto de continuum pathway. É um atalho entre o receptor e o músculo, entre sensação e ação. Ele conduz tanto informação dos sentidos quanto energia para energizar os músculos.

Aqui, continuum se refere a um trajeto contínuo para energia sensória / informação  que inclui mas não está  limitada ao sistema nervoso.

A operação do trajeto continuum capacita a pessoa a se mover mais rápido e de uma maneira mais coordenada do que o sistema nervoso permite –  para se mover a pessoa tem que conscientemente saber a razão para o movimento.

Concluímos que existem ao menos dois tipos principais de consciência. Consciência Neurológica surge das operações dos nervos e cérebro. Um segundo tipo de consciência nós chamamos tecido conectivo ou Consciência Continuum. Seu caminho é via o trajeto continuum na matriz viva.

Os campos elétrico e magnético produzidos pela atividade neural no cérebro não está confinada a cabeça e suas vizinhanças – eles se espalham através de todo o corpo via sistema nervoso,suas camadas de tecido conjuntivo e o sistema circulatório, que se estende em cada parte do cérebro e em cada parte do corpo e é um bom condutor de eletricidade.


Os comentários estão encerrados.

Próximo Capítulo:
A primeira vez que soube sobre Cleve Backster foi no…