O Corpo Elétrico

http://www.emfresearch.com/the-body-electric/

 

Robert O. Beck (1925 – 2002) foi um medico cirurgião ortopedista, investigador cientifico e pesquisador, que escreveu o livro The Body Electric. Este livro trata da natureza elétrica do corpo humano. Becker fez pesquisas pioneiras entre a fisiologia humana e a eletricidade. Durante 30 anos investigou a cura de ossos , órgãos e nervos provando que a estimulação elétrica com corrente contínua promove a cura de ossos e outros tecidos. Também desenvolveu trabalhos para provar que algumas partes do corpo podem se regenerar.

 

Pesquisou sobre o modo como correntes elétricas presentes no interior do sistema nervoso mediam a regeneração dos tecidos. O trabalho original de Becker tratava de um fenômeno chamado “corrente de lesão”, que é o potencial elétrico que pode ser medido através do coto de um membro amputado de um animal experimental. Becker examinou as diferenças existentes entre os mecanismos de regeneração nas rãs e salamandras. As salamandras podem regenerar completamente os membros amputados, ao passo que as rãs não tem essa capacidade. Pequenas diferenças elétricas entre as correntes de lesão medidas nos cotos das salamandras, que podiam dar origem a novos membros, e nas partes correspondentes das rãs, que não tinham a capacidade de fazer isso. As rãs representaram um potencial elétrico positivo, o qual gradualmente, tornava-se neutro à medida que o coto ia sarando. As salamandras, porém, depois de produzirem inicialmente um potencial positivo semelhante ao das rãs, apresentaram uma reversão na polaridade e geraram um potencial negativo. Esse potencial de lesão negativo voltou gradualmente a tornar-se neutro ao cabo de um certo numero de dias, à medida que a salamandra produzia um novo membro. Becker teve vontade de saber se a produção artificial de um potencial negativo através do coto da rã afetaria o resultado final. Ele fez isto e, a rã produziu um membro inteiramente novo!

 

O trabalho de Becker levou à descoberta de novos mecanismos de transmissão de informações no sistema nervoso, dos quais talvez façam parte um laço de realimentação curativo. Esse sistema parece envolver a rede de células gliais e de Schwann que circunda a maioria dos nervos do corpo. As células de Schwann formam uma bainha isolante em torno da maior parte dos nervos periféricos. Inicialmente pensava-se que as células gliais e de Schwann tinham unicamente a função de alimentar os nervos adjacentes. O trabalho de Becker, porém, sugere que ambos os tipos de células podem transmitir informação. As importantes descobertas do dr Becker e mais recentemente do dr, Andrew Basset, resultaram numa grande disseminação do uso de aparelhos eletromagnéticos para acelerar a cura de ossos fraturados. Os primeiros estudos foram feitos com implante cirúrgico de eletrodos em membros de cavalos com ossos quebrados. A obtenção de notáveis curas de fraturas difíceis em animais levou à aplicação bem -sucedida desta técnica em seres humanos, especialmente em situações nas quais a amputação de um membro pela ausência de união das fraturas constituía a única alternativa

A aplicação externa de campos eletromagneticos de baixa intensidade através do local da fratura parece ser suficiente para a obtenção dos beneficios desejados. Eletrodos especializados são colocados sobre o aparelho de gesso por periodos de semanas ou meses, em geral durante as horas de sono, até que os raios X indiquem uma cura completa.

Becker foi um pioneiro do recém-desenvolvido campo da “bioeletronica”. Ele estudou os mecanismos celulares, considerando-os como sistemas ciberneticos e eletronicos, e descobriu que, no nivel de uma célula individual, microcristais e outros elementos celulares podem estar envolvidos na modulação de correntes eletricas intracelulares, de maneira semelhante ao que acontece num circuito semicondutor. Pode-se considerar que certos elementos celulares, como as membranas, por exemplo, atuam como capacitores. Outras estruturas internas, incluindo os mitocondrios e suas cadeias transportadoras de eletrons, podem ser encaradas como minusculas pilhas ou fontes de energia eletrica. Isso significa que pode haver sistemas eletronicos de comutaçao e transmissão dentro das celulas e entre elas.

Nas condições biologicas atuais, o desenvolvimento de corpos vivos orienta-se desde o inicio pela semicondutividade unicelular, como uma matriz piezoeletrica viva. Os tecidos primitivos basicos( celulas glia, satelite e de Schwann) dão sustentação aos neuronios no sistema humano, cuja fonte primaria de alimentação é de natureza eletrica. Isso tornou-se especialmente evidente no crescimento ósseo em resposta a tensões mecanicas e fraturas, demonstrando ter caracteristicas de sistemas eletricos de controle.

A estimulação da regeneração de cartilagens através de correntes magneticas, a restauração parcial de membros por meio de correntes diretas de baixa densidade, a estimulaçao do crecimneto dos ossos por campos eletricos, a inibição do crescimento de tumores implantados em mamiferos com o uso de correntes eletricas – tudo isso pertence ao campo da eletromedicina. A eletromedicina é a ciencia que tira proveito das energias eletrofisiologicas celulares através da utilização do campo eletromegnetico apropriado.

Albert Szent-Gyorgyi, descobridor da vitamina C, está pesquisando as implicações do modelo bioeletronico para a compreeensão do cancer. A anormalidade das celulas cancerosas talvez esteja relacionada com defeitos nos mecanismos eletrônicos de comutação, os quais não conseguiriam interromper o processo de replicação.

https://www.youtube.com/watch?v=tGylGdNrG4o

James Oschaman – The Human Story – Electric Universe.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dois × um =

Próximo Capítulo:
Em 1906 Einthoven registrou pela primeira vez um eletrocardiograma e…